Nossos Espressos
Clique nas cores e conheça os outros sabores

Espresso Vibrante

O blend encorpado e marcante.

Intensidade 4

Origem Cerrado Mineiro, Mogiana Paulista e Espírito Santo

Variedade Arábica e Robusta

Notas Chocolate, Caramelo e Torrada

Descubra a ficha técnica completa Comprar

Sobre o Espresso Vibrante

Cafés de São Paulo, Minas Gerais e Espírito Santo combinados em doses exatas. Na cápsula do Vibrante, a arte do mestre cafeeiro mostra seu valor.

 

A composição tem sabores do Cerrado Mineiro, da região de Mogiana Paulista e do Espírito Santo. A predominância é de grãos do tipo arábica, mas o robusta também marca presença. E o resultado é um espresso aromático com excelente doçura.

Origem brasileira

O Brasil é um país rico em variedades.

Nossa diversidade está tanto na fauna e flora quanto nos costumes, sotaques e sabores regionais. E isso se manifesta também na bebida mais apreciada do país.

Descubra as principais características de cada região produtora

Cerrado Mineiro

A primeira região na história do Brasil a ser demarcada para o cultivo de café fica no noroeste do estado de Minas Gerais.

Descubra mais sobre O Cerrado Mineiro
Cerrado Mineiro

A primeira região na história do Brasil a ser demarcada para o cultivo de café fica no noroeste do estado de Minas Gerais. Com altitudes de 800 a 1200 metros e estações climáticas bem definidas, o Cerrado Mineiro é reconhecido pela produção de cafés de qualidade diferenciada.

São mais de 4.500 produtores espalhados por 55 municípios, que geram cerca de 5 milhões de sacas de grão arábica por ano. As plantações utilizam diferentes sistemas de irrigação, mas os grãos geralmente são secos em terreiros ao sol.

O café do Cerrado Mineiro costuma ser encorpado, de aroma intenso e caramelado, com uma acidez cítrica e um sabor residual de longa duração. Mas como a área geográfica é extensa, o Cerrado pode apresentar características variadas nos cafés de cada microrregião.

Mogiana Paulista

No interior de São Paulo, próxima à divisa com Minas Gerais, fica uma das mais tradicionais produtoras brasileiras de café: a região Mogiana.

Descubra mais sobre A Mogiana Paulista
Mogiana Paulista

No interior de São Paulo, próxima à divisa com Minas Gerais, fica uma das mais tradicionais produtoras brasileiras de café: a região Mogiana. Franca, Mococa, Batatais e Altinópolis são algumas das cidades que compõem essa região cafeeira.

Lá se vão pelo menos 200 anos desde que o café da Mogiana Paulista começou a ser plantado. Com altitudes de 900 a 1050 metros e temperatura média anual de 20°C, a região tem um clima propício para esse tipo de cultivo. Por outro lado, o solo arenoso pede adubações mais frequentes do que em outras áreas produtoras.

A grande maioria das fazendas da Mogiana Paulista são pequenas propriedades que contam com ótima infraestrutura para produzir. Fácil acesso à tecnologia, mão de obra qualificada e boas rodovias são alguns exemplos.

O resultado dessa combinação mogiana são cafés arábica em grande escala, com características encorpadas e um sabor adocicado.

Espírito Santo

Na primeira metade do século XIX as lavouras de café no Rio de Janeiro foram avançando até cruzarem a fronteira do Espírito Santo.

Descubra mais sobre O Espírito Santo
Espírito Santo

Na primeira metade do século XIX as lavouras de café no Rio de Janeiro foram avançando até cruzarem a fronteira do Espírito Santo, começando assim a cultura cafeeira neste Estado.

As duas espécies de café são cultivadas nessa região com altitudes de 700m a 1000m – o que responde por aproximadamente 1/5 do café nacional.

Apesar de o Espírito Santo oferecer ótimos grãos Arábica, a região se tornou referência na tecnologia de produção do Robusta, que é cada vez mais utilizado na composição dos melhores blends mundiais.

Devido aos investimentos feitos por produtores locais, o Espírito Santo ganhou destaque nas principais premiações de cafés especiais. O segredo está nas bebidas de sabor levemente adocicado com aroma caramelizado e acidez média que caracterizam a região.

 

Ficha técnica

 

Variedade

Arábica e Robusta

Um blend composto por dois tipos de grãos. Possui sabor e aroma delicados, graças à predominância do Arábica, combinando o corpo e amargor do Robusta.

Descubra mais
Arábica e Robusta

Rico em óleos aromáticos, o grão Arábica produz um café mais doce e requintado, com diferentes tipos de corpo e acidez. Sua taxa de cafeína gira em torno de 1,4%. Já o grão Robusta tem cerca de 2,5% de cafeína, representa ¼ da produção mundial de café e traz equilíbrio aos blends com Arábica.

Mas cada pessoa tem um gosto particular e diferentes momentos do dia podem pedir características diversas em sua bebida. Na TRES você tem opções de cafés com intensidades que vão de 1 a 5, onde o mais suave é o Decaf e o mais vigoroso é o Atento.
Experimente cada um.
Intensidade dos cafés
4

A excelência de um café está relacionada aos seus grãos, regiões de origem e métodos de cultivo, e não à sua intensidade. Todo café de qualidade pode ser mais ou menos intenso.

Gráfico Sensorial

Clique sobre o gráfico para descobrir mais.

Esse café tem notas

Chocolate, Caramelo e Torrada

Todo café traz dentro de si uma coleção de aromas e sabores que podem ser percebidos no momento da degustação. Descubra mais

Notas sensoriais

Por mais tecnológica que seja a cafeicultura atualmente, a presença humana é sempre necessária na avaliação sensorial dos cafés. É através do olfato e do paladar que as características específicas de cada bebida são identificadas. Todo café traz dentro de si uma coleção de aromas e sabores que podem ser percebidos no momento da degustação. E muitos deles se assemelham a gostos bastante conhecidos do nosso paladar. Veja alguns exemplos de notas percebidas nos cafés da TRES:
Frutado
Torradas
Avelã
Nozes
Caramelo
Chocolate

Moagem

Média

Nessa etapa, o grau de trituração do café é calculado de acordo com o blend que se quer produzir. Descubra mais

A etapa da moagem

Para passar do grão torrado ao pó para preparo da bebida, é preciso fazer a moagem. Nessa etapa, o grau de trituração do café é calculado de acordo com o blend que se quer produzir. Quanto mais fina a moagem, mais lenta é a passagem da água pelo pó e mais amargo é o sabor. Por outro lado, se a moagem não for suficientemente fina, o café não vai oferecer a mesma complexidade de aromas e sabores.

Zona Produtora

Cerrado Mineiro, Mogiana Paulista e Espírito Santo

O processo de beneficiamento

Café Cereja Descascado

Esse método foi desenvolvido no Brasil. Aqui os frutos têm a polpa removida mecanicamente.

O que é beneficiamento?
Uma vez que o fruto do café amadurece e é colhido, ele passa pelo beneficiamento.
É o processo de limpeza e remoção da casca, da polpa e da película interna do grão, conhecida como pergaminho. Descubra mais

Café Cereja Descascado

Esse método foi desenvolvido no Brasil. Aqui os frutos têm a polpa removida mecanicamente. Em seguida, os grãos vão para a secagem em terreno, como no método Natural. Mas o tempo para secar é de apenas três dias, o que diminui o risco de fermentação. O resultado é uma xícara de café mais suave e com uma leve acidez.

Quero receber novidades e promoções exclusivas da TRES® por email: